GESTÃO DE CUSTOS
Muitos de nós, acredito que todos nós, sonhamos em um dia ser nosso próprio chefe, abrir nosso negócio, arregaçar as mangas e crescer, acredito que isso já esteja no sangue do brasileiro, todos tem um pouquinho daquele empreendedor florescendo por dentro até que, se torna uma realidade e dentro dessa realidade diversas dúvidas, digamos que milhares de dúvidas e entre elas acredito que seja a mais importante:

  • Qual o meu custo de operação?
  • Qual deve ser o meu preço de venda?

Uma Gestão de Custos, deve ser a prioridade de qualquer administração, ter instrumentos que auxiliem nos controles e nas tomadas de decisões, possibilitando a empresa:

  • Ter dados para o estabelecimento de padrões, orçamentos e outras formas de previsão;
  • Acompanhar os gastos efetivamente ocorridos e compra-los com os valores anteriormente definidos;
  • Estabelecer preços de vendas compatíveis com o mercado em que atua;
  • Conhecer a lucratividade de cada produto;
  • Decidir sobre corte de produtos;
  • Reduzir custos
  • Determinar o ponto de equilíbrio;
  • Avaliar o desempenho;

Apenas com essas duas perguntas, conseguimos implantar uma Gestão Empresarial de forma correta em sua empresa, não importa se você é um Microempreendedor Individual ou se é uma Empresa de Pequeno Porte, todos queremos ser grandes, então,mãos à obra!!!
Conceito básico em custos
O sistema de gestão de custos usa uma terminologia própria, cujos termos muitas vezes são usados com diferentes significados:

  • Gastos;
  • Desembolso;
  • Investimento;
  • Custos;
  • Despesas;
  • Perda

Neste material, vamos focar somente em Custos e Despesas.
Diferença entre custos e despesas
Custos é o gasto com o processo operacional de sua empresa, seja ela a fabricação ou o processo de comercialização de um produto. O custo só afetará o resultado da parcela do gasto dos produtos vendidos.
Despesa é o gasto que não está relacionado ao processo produtivo. São todos os demais fatores identificáveis na administração, financeiras e relativas as vendas, que reduzem a receita. A despesa afetará diretamente o resultado do exercício.

Classificação de custos


Os custos quanto a sua apropriação aos produtos podem ser:
Custos Diretos: São os que podem ser diretamente (sem rateio) apropriados aos produtos, bastando existir uma medida de consumo (unidade, quilos, horas mão de obra, quantidade de força consumida etc.). De maneira geral, associam-se a produtos e variam proporcionalmente à quantidade produzida.
Custos indiretos: São os que: para serem incorporados aos produtos, necessitam da utilização de algum critério de rateio. Exemplos: Aluguel, iluminação, depreciação, salários etc.
Na prática, a separação de custos diretos e indiretos, além da sua natureza, leva em conta a relevância e o grau de dificuldade de medição. Por exemplo, o gasto de energia elétrica (força) é um custo direto, porém, devido a sua dificuldade de medição de consumo por produto e ao fato de que o valor obtido por meio de rateio, em geral, pouco difere daquele que seria obtido com uma mediação rigorosa, quase sempre é considerado como custo indireto.
Quanto ao nível de atividades os custos classificam-se em:
Custos Fixos: São aquele cujo o total não varia proporcionalmente ao volume produzido. Por exemplo: aluguel, seguro, sistemas etc. Um aspecto importante a ressaltar é que os custos fixos dentro de determinada faixa de produção e, em geral, não são sempre fixos, podendo variar em função de grandes oscilações no volume de produção. É um custo fixo no total, mas variável nas unidades produzidas. Quanto mais produzir, vender, menor será o custo por unidade.
Exemplo:

  • R$ 400,00 imputados a 80 unidades = R$ 5,00/u
  • R$ 400,00 imputados a 100 unidades = R$ 4,00/u

Custos variáveis: São os que variam proporcionalmente ao volume produzido: Matéria-prima, embalagem, mercadoria para revenda etc.
Custos Semivariáveis ou Semifixo: É o custo que varia em função do volume de produção ou venda, mas não exatamente nas mesmas proporções.
São considerados fixos até uma determinada parcela, e a partir deste ponto passam a ser variáveis.
Exemplo: Sistema de gestão de e-commerce

  • R$ 50,00 para 50mb de dados
  • R$ 100,00 para até 150mb de dados

Ele é fixo na unidade e variável no total. Quanto gerar dados no sistema, maior vai ser a capacidade consumida.
Classificação das despesas
Conforme há a necessidade de a empresa obter receitas, surgem as despesas, a empresa simplesmente precisa funcionar e para isso há as suas despesas. Sendo assim, as despesas são classificadas em função das áreas onde ocorrem e podem ou não variar em função do volume de receitas do período, classificando-se, assim, em fixas e variáveis. São quatro os principais tipos de despesas operacionais:
Administrativas: De modo geral, são relativas às áreas de apoio da empresa. (Administração geral, finanças, contabilidade, recursos humanos etc.).
Comerciais: Surgem pela necessidade de criar receitas, como propaganda e publicidade, telefone, ou em função de vendas já efetuadas, como comissões, fretes etc.
Financeiras: São decorrentes da insuficiência de capital de giro próprio da empresa, que é obrigada a buscar e a remunerar capitais de terceiros.
Tributárias: Imposto incidentes sobre a receita, taxas e contribuições devidos a administração pública.
Tendo essa base teórica, você já consegue mensurar o que é custo e o que é despesa de sua empresa, estando apto para preparar todas informações e valores decorrentes ao funcionamento da empresa para enfim calcular o custo por mercadoria vendida.
Eu vou dividir esta matéria em algumas partes para não ficar uma leitura cansativa e também para melhor absolver as informações e aplicar e sua empresa, para a próxima vou ensinar as três principais metodologias para controle de estoque.
Espero que tenham gostado e que seja muito proveitoso em sua empresa, juntos somos mais fortes!!!
Forte abraço.


Marcelo Polato
Pense Soluções Contábeis
www.pensecontabil.com
Skype: marcelo.pensecontabil
E-mail: contato@pensecontabil.com